Atendendo a algumas respostas apreciativas e inúmeras ignorativas, aqui está......

21 maio 2016

Imprensa aparelhada na Rússia e na China

A máquina de propaganda russa parece bem ineficiente. Seu foco é internacional - a imprensa interna é quase toda controlada e coagida pelo governo. A audiência internacional que assiste ou lê matérias da RT e veículos aparentados é um traço. No Brasil devem ser as caixas de ressonância da imprensa aparelhada nacional, mas o número é tão pequeno que nem dá para fazer estatística. Segundo quem conhece, o objetivo da máquina de propaganda russa é desembolsar recursos - a propaganda em si é só um pretexto.

Já o "Fifty Cent Party" chinês tem como objetivo principal espalhar boas notícias que enalteçam o Partido Comunista. O debate com os críticos e agressões a governos estrangeiros é de menor importância. Parece que o sistema chinês é maior e mais bem sucedido, ou ao menos mais eficiente na produção de matérias. Informações sobre audiência não são facilmente disponíveis.

A mídia aparelhada brasileira é um pouco diferente. Não duvido que um dos objetivos principais seja "desembolsar para embolsar", como na Rússia. Ma so objetivo principal é interno, como na China. Ela dedica mais esforços a atacar os adversários, a jogar excremento em todas as direções para dificultar a localização da sujeira, e subsidiariamente à construção de narrativas falsas e positivas para o Partido. Como ficará a mídia aparelhada com a mudança do governo? Ainda é cedo para ver as consequências.

04 maio 2016

Fim da liberdade acadêmica na USP?

A reitoria da USP encaminhou aos professores uma proposta de regimento tendente a restringir a liberdade de investigação e opinião na universidade. O ponto que pode ter consequências absolutamente desastrosas para a universidade é Artigo 201 do Regimento Geral:
"Artigo 201 – A permanência em um determinado regime de trabalho não é definitiva, podendo o docente, a qualquer tempo, por decisão prévia do Conselho do Departamento, ouvido o CTA, com anuência da CERT, ser transferido de um regime de trabalho para outro." 
Essa redação dá para os conselhos e comissões, entre outros poderes, o de transferir um docente de tempo integral para turno completo, o que significa na prática que a universidade obriga o docente a buscar outro emprego e corta o apoio a seu trabalho de pesquisa. Não havendo limitação no regulamento, esse poder pode ser usado para excluir da vida intelectual e científica alguém cujas opiniões ou linhas de pesquisa sejam divergentes das dos conselhos e comissões.

Podemos conceder o benefício da dúvida aos autores da proposta, e assumir que não foi essa a intenção do trecho. Acredito sim que a intenção de toda o processo foi apenas redigir um estatuto detalhista e gerar papel, justificando a carga burocrática dos autores e aumentando-a para todos os demais docentes, e que os redatores da proposta não analisaram o conteúdo do documento nem perceberam suas implicações. Mesmo assim a ameaça é grave.

Indo direto ao ponto: o poder concedido pelo artigo cita é contrário à liberdade de pesquisa e opinião. Acredito que não será fácil exercer pressões através desse artigo, mas sua mera existência é uma ameaça à vida intelectual e científica dentro da universidade. É indispensável retirar esse artigo da proposta em discussão.

02 maio 2016

Voltando ao ensino na Poli

Parece que estamos enfrentando uma emergência. Correm os boatos de que alguma comissão, ninguém sabe exatamente precisar qual, vai dar um jeito de obrigar todos os cursos a oferecerem pacotes fechados no 5o ano, sem possibilidade de eletivas ou alternativas.

Isso é contrário a tudo que foi discutido e aprovado pela Escola Politécnica como um todo, mas "parece" que é do interesse de certos caciques, que através dos currículos fechados mantém seu poder de distribuir carga didática sem ter a preocupação com o futuro profissional dos estudantes. Isso já aconteceu dentro da engenharia elétrica, onde uma proposta originalmente positiva foi deturpada, resultando um um currículo rígido, inchado, e ultrapassado.

Escrevi para os colegas que me contaram isso as frases abaixo, mas não enviei a mensagem:

Parece um golpe. Não foi isso que foi aprovado pela congregação. "Parece" que alguma comissão está dando um jeito de fazer valer a preferência dos canalhas em cima dos interesses dos alunos. Não sei como se poderia fazer para evitar esse desastre, e também não sei se vale a pena fazer parte de uma organização onde os mais canalhas conseguem impor sua vontade por meio de subterfúgios, sem discussão nem oposição.
Não sei como proceder. Talvez seja o caso de pular fora e deixar a canoa afundar. Será que alguém com mais habilidade ou poder político consegue mobilizar alguma força contra esse estrago premeditado numa das pouca unidades de ensino relativamente funcionais da USP? Não sei.

Para referência vou listar alguns links anteriores sobre o assunto.

http://fmpait.blogspot.com/2013/05/curriculos-da-poli.html
http://fmpait.blogspot.com/2013/09/curriculo-de-engenharia-eletrica-na_18.html
http://fmpait.blogspot.com/2013/09/curriculo-de-engenharia-eletrica-na.html
http://fmpait.blogspot.com/2013/10/proposta-de-curriculo-de-engenharia.html
http://fmpait.blogspot.com/2012/10/curriculo-da-poli-engenharia-eletrica.html

26 abril 2016

Hashtags orquestrados

Impressionante a capacidade das massas mobilizadas criarem movimentos com finalidades partidárias específicas e vernizes éticos brilhantes mas superficiais. Me ajudem a fazer uma listinha.

#VocêTambémÉCorrupto: durou enquanto valia a pena argumentar que comprar um notebook sem pagar alfândega é a mesma coisa do que desviar 1 trilhão de dólares.
#ForaCunha: durou enquanto ele podia parar o processo de impeachment, sumiu imediatamente após a votação na Câmara.
#ImprensaEstrangeiraDizQueÉGolpe: em curso, enquanto o pessoal procura os artigos e descobre que são todas citações de colunistas brasileiros aparelhados.
#EleiçõesGeraisJá: é o próximo, dura até perceberem que a ideia de fechar o congresso para extinguir os processos contra os corruptos não vai ter muita ressonância.

Quais foram os anteriores? Quais serão os próximos? Me ajudem a completar a lista e acertar os hashtags mais apropriados!

18 março 2016

O engenheiro constitucionalista ataca novamente

O vice presidente pode aceitar a sugestão resumida em 3 tweets, e tirar Brasília da sinuca. Depois acrescento como sair do buraco econômico.

@MichelTemer Graças ao instituto do indulto, a presidente e o ex- podem renunciar sem medo de condenação criminal. Está nas mãos do vice!

 @MichelTemer Assuma a presidência e conceda indulto. O país sofre menos do que com a presidência homiziando criminalidade.

 @MichelTemer Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República: XII - conceder indulto e comutar penas \\ Talvez a saída do buraco

17 março 2016

Me pediram um discurso breve

Então vou contar uma anedota.

O famoso professor Schlesinger, conferencista de Leipzig, veio aqui dar uma conferência em Chelm. Toda a cidade veio ouvir o grande palestrante, e os yidn das shtetlakh vizinhas. A sinagoga estava cheia, os homens no andar de baixo, as mulheres em cima.

Herr Professor Doktor Doktor falou... er redt... un er redt... e falou... ia passando o tempo, todos cansados, em pé, ficando com fome, as bobes preocupadas com o tshulent no fogo.

Depois de horas de discurso o professor olha para o relógio e se desculpa misturando Yiddish e alemão:

"Entschuldigen Sie bitte, dos zeigerl is bay mir geven kaputt", meu relógio quebrou.

O nebekh, o bobo de Chelm, que parecia dormir, diz "Azoy hot der rebbe a luach" - se era por isso, era só ter pedido o calendário do rabino.

A juventude de hoje, vocês são mais preparadas do que as gerações anteriores. Felizmente, porque estamos deixando uns problemas bem complicados para vocês resolverem. Ouçam o tsaddik, o sábio, mas ouçam também o maluco, o meshuga.

03 março 2016

PT ou GOP?

Quem racha antes: o PT ou o Partido Republicano? Pago uma pizza para quem acertar. Palpites nos comentários ou via twitter. Vale apostar nos 2, até novembro de 2016. Você leu aqui antes.

08 fevereiro 2016

AlphaGo

I'm still trying to digest the news of AlphaGo's win against a Go (Baduk, Weqi) professional. I read the Nature paper - which is not to say I understand it. Of course the paper is not meant to be a full explanation that I would understand of how the software works ;-) Todays is a triply off day - carnaval in Brazil, my official vacation at USP, and a snow day in Boston - so I'll take the opportunity to jot down some thoughts.

The jump in strength from what was previously achieved by Go machines was enormous. An 8-stone improvement (800 Elo, whatever) over the best programs. Incredible. That's very much unlike what happened in chess - then everybody could see the progress of machines and knew that the champion's defeat was coming.

The main questions is: what is a "convolutional" neural network, and how is it so different from a garden-variety neural network that it can learn to evaluate positions? Positional evaluation had not been achieved in any significant way by any algorithm before. Convolutional neural networks, also called "deep learning", are said to be suited for pattern recognition - although they still have to deal with the standard issues of neural networks, namely, the need for enormous training sets, and the problem of local minima in gradient search. Although there are claims that deep learning deals with local minima effectively. The main question though is more subtle - who expected that Go positional evaluation is amenable to pattern recognition? What is the topology of a winning Go board? How did AlphaGo figure it out, as it is clear that no human did?

There are 3 hypothesis:

1 - Go turns out to be significantly easier that we had thought. That rhymes with the idea that chess books are (used to be, before machines) a lot better - more fun - than Go books. Chess books used to talk about real strategic insights - until all the insights became available: then they devolved into a morass of listings of 30 move long openings which are almost like exhaustive searches. Lasker wrote "Chess must not be memorized... You should keep in mind no names, nor numbers, nor isolated incidents, not even results, but only methods." That worked 100 years ago, but it turns out that memorizing works better now.

Go books range from the soft, metaphysical, to the exhaustive lists of josekis and tsumegos. Now this might be explained away by saying that "we don't understand the mysterious ways of Asian culture" but this explanation is nonsense. Conceivably chess had found the deep tactical insights which are halfway between the vague and the overly concrete, and Go was still jumping from one extreme to the other. Is that because chess had been better studied? Or because Go is more complex, less structured, and thus less amenable to literary description?

Chances are we will never know. The most likely explanation is that the secrets of Go are hidden more deeply than those of chess, yet not so deep that computers cannot find them. But there are others.

2 - Artificial intelligence is advancing faster now. After 50 years of having been the technology of the future for now and all ages. Maybe. This is the 1st AI (defined in broad terms) advance that is unexpected. Do you remember another one? I don't.

Of course Go WAS more complex than chess and took a while longer to solve; but now computers are more powerful and the advances come faster. I don't much believe this line of reasoning but we cannot discount that the pace of advancement in artificial intelligence will quicken. This hypothesis is testable: just wait 5 years and see if other, bigger problems fall. The technological singularity folks would be happy, but don't really think it will happen.

3 - Least likely explanation: well, most published research findings are false. The disagreement is on the meaning of most - my favorite estimate is 92%. Every field has its way of being false - outright fraud is rare except in the medical sciences. In engineering, false tends to mean that the conditions assumed in the paper never happen in the situation to which it wants itself applicable. But I digress.

The reason this alternative is unlikely is because if there is something false in the publication it will get checkmated, just as Lasker said of hypocrites (he actually meant anti-semites) on the chessboard. Now again I cannot evaluate the publication, and I much doubt that it is meant to be evaluated the way mathematicians check proofs in peer review. But I did look at a commented game - again I cannot compete with the pros - and one cannot imagine how the computer was playing if it wasn't running a very good algorithm.

So hypothesis 3 is the least likely - not that I put it above any scientists to punish false results, or that science depends on individual honesty or competence - but it's the most easily testable. Pity, because at some level it would be the most satisfying - another 10 or 20 years of gradual improvement in Go playing would have been fun to watch.

Jeb!

Half of the 6 of you may know of my habit of blogging votes. It is a form of expressing confidence in our freedoms. So: I plan to vote for Jeb Bush in the Republican presidential primaries in Massachusetts for the following reason.

I judge that the remaining Republican presidential candidates are a clear and present danger to the welfare of this country, to the freedom and liberty we enjoy, and to peace among our allies around the world. Not only the most talked about candidates, who do not deserve to be mentioned by name, but also the ones who supposedly are more acceptable to the conservative establishment. The absentee governor of N Jersey, a mean, incompetent, and vindictive fellow who would quarantine my daughter after a trip to Brazil. The pretty boy who skips Senate votes so as not to be on record as supporting anything but boilerplate blurbs. (How come it has taken so long for the pundits to declare his suit is empty?) The executive who destroyed the 2 greatest technology companies of the 20th century, but is excluded from debates for being female. Any of the vice-presidential candidates going to debates for the airtime. The crazies.

It is not at all likely that I would vote for Jeb against Hillary Clinton. However that would be a reasonable election in which they would have to express and defend their opinions. This is good for the country and the voter would have a chance to decide. Between repealing Obamacare because it goes to far, and repealing Obamacare because it doesn't go far enough, am I still more likely to vote for Sanders? Perhaps, but in either case it will be a question of who has the better proposals, not of absolute dread. Bush is not crazy, nor racist. He was a reasonable governor - I may disagree with his priorities and note that he surfed a real estate bubble, but the voters were happy. Sanders is to the left as Bush is to the right; you can agree or disagree with them depending on your positions. The alternatives to these 3 are mean and insane.

03 fevereiro 2016

As 3 diferenças entre Brasil e EUA

A 1a diferença é a Constituição. Os representantes nos EUA são muito mais acessíveis. É muito mais fácil eu contatar meu deputado aqui, e receber uma resposta, do que no Brasil, onde eu nem bem sei quem é o meu representante, nem eles se importam em responder. Em parte é por causa do voto distrital, em parte por causa da cultura política - seja como for, é uma diferença interessante.

A 2a diferença são os liberal arts colleges. Nos EUA o estudante entra na universidade, e não num curso específico, enquanto no Brasil o estudo universitário é voltado para treinamento em profissões específicas - algumas delas nem são profissões que realmente existem de forma bem definida, ou não oferecem empregos. Então o aluno entra, sai, reprova, desiste, presta vestibular novamente... enquanto nos EUA o jovem passa 4 anos buscando seus interesses com ajuda da universidade e dos professores.

A 3a grande diferença são os parques nacionais, que nos EUA existem para serem visitados, e têm infra estrutura para turistas; enquanto no Brasil raramente há estrutura e os parques servem para impedir a visitação, ficando mais expostos aos palmiteiros, motoserras, e outros devastadores.

Fora essas 3 diferenças Brasil e EUA são iguais - só muda a bitola do papel higiênico que nos EUA é mais larga.

Votação para o C Universitário da USP

A USP enviou 2 dúzias de mensagens sobre "Eleição do representante dos Professores Associados junto ao Conselho Universitário, conforme Portaria GR...." Não vou entrar em detalhes - procedimentos técnicos, senhas, métodos eletrônicos, testes, contagens. Daí quando chega a hora da votação tem as 3 opções, e nenhuma dica de quem são os candidatos. Sou eleitor compulsivo - voto em todas as sociedades profissionais. Sempre junto com a cédula vem uma biografia e a proposta de cada candidato. Sem isso, como o eleitor vai saber em uma votar? Acho que veio email dos candidatos em algum momento, mas não estou localizando. As informações não estão disponíveis nos sites da USP - ao menos não de forma fácil de encontrar. Uma das chapas de professores doutores tem um blog - as dos associados, não encontrei. Então votei nulo.

12 janeiro 2016

Ameaças racistas dos colunistas da esquerda

Essa semana o Jânio de Freitas escreveu uma coluna ameaçando acabar com o convívio pacífico que o Brasil dá à comunidade judaica caso Israel não siga os ditames do colunista. Sem entrar na questão da competência do colunista para conceder e retirar o convívio pacífico para algum grupo de cidadãos brasileiros, noto que essa ameaça racista é não é a 1a vinda do Jânio de Freitas. Faz algum tempo ele escrevia artigos sobre o Joaquim Barbosa, dando a entender que, por ser negro, o ministro devia obediência às autoridades defendidas pelo colunista.

Naquele caso o racismo aparecia de forma mais sutil - por exemplo com uma menção completamente despropositada ao presidente Obama como exemplo de quem fez mau uso do poder. Despropositada no sentido de que Obama não tinha nenhuma relação com o artigo, e não é citado de forma relevante ao tema, não havendo nada exceto pela semelhança de côr e a desobediência aos dogmas do colunista que o aproximasse do ministro Barbosa. A insinuação, embora menos explícita do que a ameaça anti-semita da coluna recente, ficava bem clara.

Outros colunistas ideologicamente próximos ao Jânio de Freitas foram menos sutis em seu racismo contra o ministro Barbosa, mas não tenho estômago para ler. O racismo pouco disfarçado dos setores da esquerda foi notado pela mídia e pelos tribunais. No momento quem também está sendo vítima desse preconceito é o Jean Willys - as críticas ao deputado por ocasião de sua visita a Israel são frequentemente no tom "um homossexual que desafiar a autoridade da esquerda e do Partido vai sofrer consequências". A esquerda no Brasil é isso aí.

08 janeiro 2016

Negócios da China

O Coringão foi desmontado. Renato Augusto e Ralf acertaram a transferência para o Beijing Goan, da Chinese Super League, a 1a divisão do futebol chinês. Já o ex-jogador sãopaulinho Luis Fabiano foi jogar no time do Vanderlei Luxemburgo, o Tianjin Quanjian, da China League One, a segundona da China. O ex-corintiano Jadson também foi para lá, mas o meio-corintiano, meio sãopaulinho Pato recusou a proposta, talvez com receio de ser laqueado. País da piada pronta!

Academic citations

ResearchGate, one of those citations services that have been popping up recently, sends me email to inform that an old paper of mine has been cited. Out of curiosity I looked at the citing paper. It is completely unrelated to the topic of my paper, which was not used in any meaningful way. The citation doesn't give a clue as to why my paper was cited, and the context in which it appears is not related either to the cited or to the citing paper. I know there is an academic citation industry but I can't quite make sense of this.

07 janeiro 2016

Every house needs a Ridgid Wet/Dry Vac

My neighbor left an outside faucet open for the N England winter (who is the Yankee here?), and predictably a pipe junction got disconnected. By the time I noticed and closed a valve, the basement was filled with a good quarter-inch of water.

I vacuumed about 50 gallons with my Ridgid Wet/Dry Vac, and the damage doesn't seem that bad. You need one, even if you don't know why, so go to Home Depot and buy yours. Use with the filter for dust and dirt, without it for liquids. The larger models are for professionals, the portable models are probably adequate for home use - mine is the 3-gallon and smallest one. As a reward I made steak à Camões, potatoes, and asparagus for Hannah, with a glass of cranberry wine myself.

Thanks Ridgid, and God bless America!

05 janeiro 2016

Taxas de juros desenvolvimentistas do PT

Que o governo cobra dos municípios (IGP-DI + 9%): 20%.
Que o governo cobra dos empresários bem relacionados (TJLP): 7%.
Que o governo cobra dos empresários muito amigos (PSI): 4%.
Que o governo paga para os bancos amigos (SELIC): 14%.
Que o governo paga pela poupança: 8%.
Que o governo paga para os trabalhadores (FGTS, TR + 3%): 5%.

Em 2016 alguns desses índices mudaram, mas não é fácil corrigir uma coisa assim tão mal construída. Não dá para explicar só por incompetência nem só por maldade nem só por roubalheira.

23 dezembro 2015

Complexidade e confiabilidade

Um avião comercial é um sistema inacreditavelmente complexo. É quase impossível para um engenheiro realmente acreditar que tantos componentes conectados de forma tão intrincada possam funcionar com perfeição. Seja como for, a indisponibilidade de um avião comercial é a grosso modo da ordem de 10^-6: a cada milhão de viagens, menos de uma é interrompida por problemas mecânicos.

Um automóvel é também um sistema complexo, embora bem mais simples que um avião. Podemos dizer que a taxa de falhas é da ordem 10^~3; um carro usado diariamente deixa o motorista na mão uma vez a cada 3 anos, ou algo assim.

Um elevador é um sistema bastante simples: uma botoeira ligada a chaves eletromecânicas, um motor de potência reduzida, e contrapesos ligados por cabos. Provavelmente você encontra o elevador do prédio parado alguns dias por ano, podemos estimar a indisponibilidade em 10^-2.

Um portão de garagem é um sistema muito simples: motor elétrico, e 2 chaves liga-desliga. A taxa de falhas tende a ser de até 10%: fica aberto dias inteiros a cada tantas semanas esperando manutenção.

Uma porteira de estacionamento é um sistema ridiculamente simples. A cancela do estacionamento do prédio de engenharia elétrica da USP está permanentemente quebrada, indisponibilidade 10^0. Tire suas próprias conclusões, e aproveite bem os feriados!

21 dezembro 2015

Propostas de projeto de formatura 2016

1 - A revolta da armada e os telegramas de Benham

A revolta da armada contra o governo republicano em 1892 opôs lideranças da Marinha contra a ditadura militar de Floriano Peixoto. As alianças de cada um dos lados não se dividem claramente entre lados ideologicamente distintos, mas a grosso modo monarquistas eram favoráveis aos revoltosos, que tinham força no Sul e no Nordeste; republicanos e jacobinos eram favoráveis ao governo, mais forte no Sudeste; as potências europeias eram simpáticas aos revoltosos; e os EUA, contrários ao bloqueio dos portos, aos republicanos. O episódio, apesar de não se encaixar bem nas historiografias ideológicas, tem aspectos até hoje interessantes. Durante a revolta a baía da Guanabara abrigou uma fração considerável das maiores marinhas de guerra da época, incluindo o encouraçado Aquidaban (o Riachuelo estava na Europara para reparos). Também participou do conflito a 2a fragata Nictheroy. A revolta terminou com a passagem do poder de um militar para um civil constitucionalmente eleito, pela 1a vez na história do Brasil e talvez da América Latina, embora o resultado das eleições não fosse realmente contestado.

Há motivos circunstanciais para supor que a diplomacia americana tenha tido papel importante na resolução, mas infelizmente nem o orgulhoso Marechal Floriano nem o lacônico Almirante Saldanha da Gama nos deixaram registros sobre os fatos, e as comunicações entre o Almirante Benham e Washington estão em código, até hoje não decifrado pelo que tenho conhecimento.

O objetivo desse projeto é decifrar as comunicações entre a armada americana e os superiores nos EUA, guardadas nos National Archives em Washington. Com os recursos computacionais disponíveis hoje, deve ser possível esclarecer esse interessante episódio da história nacional. Trabalho prévio: pesquisar se os códigos ainda não foram decifrados (acho que não). Leitura relevante: Steven C. Topik. Comércio e canhoneiras: Brasil e Estados Unidos na Era dos Impérios (1889-97), Companhia das Letras, 2009.


2 - Ambiente de qualidade profissional para simulação de método de controle adaptativo híbrido

Desenvolvemos recentemente um método de controle adaptativo direto utilizando o algoritmo do baricentro para otimização livre de derivadas. Tanto as análises matemáticas como as simulações indicam que o método funciona bem.

Não estou satisfeito com o workflow das simulações usando Matlab-Simulink, embora talvez possa ser adequado para prototipação rápida. É difícil explicar exatamente o que não agrada: a lentidão dos cálculos numéricos, a aparência pouco amigável dos gráficos, a falta de naturalidade da programação em relação aos objetos matemáticos sendo usados, a dificuldade de realizar alterações e sequências de simulações, ou talvez seja mera má vontade minha. Pelo que entendo os profissionais recomendam o uso do Python com extensões como Pylab e Numpy. Outros gostam do Mathematica mas não sei se é práticos simular um sistema híbrido, nem se o uso do pacote chamado SystemModeler é necessário, ou recomendado. Existe também um produto comercial chamado VisSim (http://www.vissim.com) que tinha um stand na CDC de 2015 e parece ser um produto eficaz e econômico, talvez seja uma alternativa,

O objetivo do projeto é montar um esquema de simulação para o controle adaptativo híbrido usando software adequado para uso profissional. Software aberto é um ponto positivo. Documentação em LaTeX apenas. Plataforma Unix (Mac, Linux, ou outra) desejável.


3 - Aplicação prática de otimização livre de derivadas

Usar o algoritmo de otimização direta baseado no baricentro complexo para resolver problemas em engenharia química ou correlatas. Os métodos de minimização e maximização de funções usando derivadas e gradientes são bem conhecidos. Em muitas situações práticas temos apenas um oráculo que nos informa o valor da função em pontos determinados. Esse oráculo pode ser por exemplo um experimento ou simulação, cuja execução tem um certo custo ou demora um tempo de execução, e portanto o número de chamadas ao oráculo deve ser minimizado. Algoritmos para otimização direta, sem derivadas, embora menos estudados, são tão ou mais úteis na prática. O objetivo desse projeto é testar um tipo de algoritmo de otimização direta baseado no cálculo do baricentro de uma sequência de respostas fornecidas pelo oráculo.

O algoritmo é novo e está sendo desenvolvido aqui na USP. Há versões aplicáveis para problemas de otimização contínua e também de otimização mista, com variáveis discretas e contínuas. Tudo indica que funciona tão bem ou melhor que os métodos encontráveis na literatura. O entendimento do método é perfeitamente possível para alunos politécnicos.


4 - Cobrança por estacionamento e trânsito de passagem na Cidade Universitária

A prefeitura do campus tem um estudo com dados bem completos sobre trânsito de veículos na Cidade Universitária. Um problema da USP é que oferecemos passagem de graça e estacionamento de graça para todos. Não conheço nenhuma universidade no mundo que gaste tanto com subsídio aos automóveis - qualquer outra universidade cobraria pelo estacionamento e uso das vias, e empregaria os recursos em ensino e pesquisa. A ideia a ser explorada é fazer um estudo para cobrança de estacionamento e tráfego de passagem para ser apresentado à Universidade e à Reitoria, com modelo econômico-financeiro, estudos de engenharia, proposta para sistema de cobrança, embasamento jurídico e tudo mais que seja relevante.


5 - O problema de Lur'e. A questão aberta mais antiga e importante em controle é a seguinte: dados 2 sistemas dinâmicos estáveis, encontrar uma função de Lyapunov comum para ambos, ou mostrar que não existe.

A história do problema remonta aos anos 1940 com o conceitos de estabilidade absoluta e a conjectura de Aizerman, e ganhou maior importância com os estudos de sistemas chateados e controle híbrido, porém uma resolução do problema ainda não está disponível.

A proposta do projeto é estudar a estabilidade de uma equação diferencial cuja solução fornece a função de Lyapunov comum para 2 sistemas. A dificuldade consiste em que essa equação tem modos estáveis e instáveis, porém ele pode possuir órbitas homoclínicas conectando as variedades estáveis e instáveis. Nesse caso o sistema dinâmico resultante exibe caos, as variedades não são globalmente integráveis, e inexiste a função de Lyapunov buscada. Até esse ponto eu sei. O complicado é descobrir se existem órbitas homoclínicas e caos para um determinado sistema dinâmico. A forma de estudo inclui o uso da técnica de Melnikov e outras.


6 - Robôs fofos. Para quem quiser construir alguma coisa, recomendo robôs moles ou fofinhos. Não entendo nada do assunto, só sei que é a robótica do futuro.


Agradeço o interesse, quem quiser me contatar nas próximas semanas email é o melhor meio, ou skype felipe.pait.

17 dezembro 2015

Osaka 2

Uma das coisas divertidas de viajar no Japão é pegar transporte público com todo o mundo. Parece que em Osaka só 10% das viagens são de carro; o resto é a pé ou numa combinação de bicicleta, trem, metrô, e ônibus. Tem pouco carro andando nas ruas, exceto nas avenidas principais, e não vi nenhum engarrafamento. A escolha é facilitada pelo fato que a cidade é plana e extremamente densa - implacavelmente urbana, diria. As bicicletas andam nas ruas - as menores não tem calçada - sem vias especiais. Nem precisa, porque os raros carros são cuidadosos. Nas avenidas, usam a calçada.

Há uma combinação impressionante de linhas de trem e metrô, subterrâneas, elevadas, e de superfície, da cidade, nacionais, e privadas. A rede é incomparavelmente mais densa que em S Paulo. É usada o tempo todo, e fica cheia nos horários de pico, mas dá para usar sem desconforto. O desembarque é mais eficiente porque não tem japonês tentando entrar no trem antes dos outros japoneses saírem, nem guardando a porta de saída com várias estações de antecedência.

Li que o 1o metrô é dos anos 1930. Algumas linhas de trem devem ser anteriores, mas a maior parte do sistema foi obviamente construída depois da guerra, e claramente tudo foi reconstruído recentemente. Não dá para usar como desculpa que o sistema é mais antigo - não seria como um estudante do primário chegar atrasado com roupa rasgada dizendo que apanhou do bully do ginásio, é mais como dizer que papai não sai de casa porque apanhou do vovô. Não ter botado trem em toda a cidade de S Paulo em quase meio século de obras daria foi uma decisão deliberada da sociedade e dos políticos, da mesma forma como dificultar a movimentação de pedestres e especialmente de ciclistas foi uma decisão deliberada.

Uma coisa meio confusa é que cada sistema exige passagem própria, comprada no valor exato, que depende da distância, em caixas automáticos nas estações. Depois de se habituar é fácil, mas não existem passes convenientes para o turistas que funcionam em todas as linhas. É bem diferente de S Paulo, onde tem bilhete de metrô, bilhete de metrô + ônibus, e bilhete de metrô + ônibus interurbano, vendidos em guichês diferentes, que existem em uma estação mas não na outra, idênticos mas não compatíveis. Pensando bem, é a mesma bagunça. Só que aqui dá a impressão que os sistemas diferentes existem por hábito e conservadorismo, e não só por desaforo.

Hoje saí cedo, peguei a linha circular da Japan Railways na direção oposta ao centro de conferências, fica só um pouquinho mais longe. Pensava em descer no centro, mas quando vi o castelo de Osaka desci num impulso. Atravessei os jardins, subi a montanha, cheguei na porta do castelo - visita só depois das 9 - fui para o outro lado, atravessei o fosso na outra direção, e confiando no milagre dos trens japoneses cheguei na hora para a plenária, que não está grande coisa.

Em resumo, os trens são baratos, extremamente eficientes, e inacreditavelmente silenciosos. Mas também o que se espera de um país onde até elevadores funcionam na hora?

Um problema é que a conferência é num convention center, que é o pior tipo lugar para fazer conferência, provavelmente porque foram planejados para conferências. Não tem lugar para sentar e conversar, nem espaço adequado para os coffee breaks. O melhor tipo de lugar são universidades, especialmente as residenciais americanas, durante as férias - como não foram projetadas para convenções, tudo funciona como devia. Intermediário são hotéis, não projetados para convenções, mas adaptados, o que atrapalha um pouco mas não compromete.

Voltando ao que interessa, a comida aqui, como já disse, é boa e barata. Mais fácil comer sozinho sem os gaijin. O pessoal do restaurante sabe que eu não falo japonês, falam japonês comigo do mesmo jeito, eu gesticulo qualquer coisa, e no final das contas o umbigo sai satisfeito. Os gaijin querem saber o que estão pedindo, como se fizesse diferença, não confiam nas fotografias da comida, não entendem nada e ficam melindrados. No dia livre, lembrar de não viajar com ninguém. Hoje ouvi meu 1o "hai, arimasen" da viagem, o curioso hábito japonês de dizer "sim, inexiste," evitando dizer não.

13 dezembro 2015

Osaka 1

Sábado. Cheguei no Japão. Inacreditável mas ainda tenho mais um voo depois de tanta viagem. Nesse último o sol ficou se pondo durante 12 horas mas só escureceu depois de descer. Mesmo assim, já é amanhã. Terminei de preparar as apresentações para a conferência. Em qual outro lugar janta-se bem no aeroporto com 5 dólares?

Trem do aeroporto para Osaka a cada 10 minutos, cheio sábado à noite, todos educados e prestativos, uma jovem me disse onde descer. Tem morador de rua no Japão. Encontrei o hotel, só 2 voltas a mais no quarteirão. Bizinesuhoteru, quarto de 2 tatamis, sem banheiro privativo. Trabalhadores estrangeiros. Com a pindaíba das agências de pesquisa me sinto bem economizando. Se contar quanto o generoso contribuinte paulista não vai acreditar, e quem viaja com $ público vai querer me matar, então fico calado. Em compensação precisa comprar toalha, não dão.

Fome e cansaço à noite, já entrei no fuso horário. Só que acordei confuso de madrugada. Liguei telefone para ver a hora, descobri que TIM funciona aqui. Quem quiser me mandar text pode. Chip local é complicado, prefiro nem usar, vou encarar navegação lendo mapa.

Domingo. Acordei às 7, hora local, Osaka vamos lá! Bem quentinho por aqui, uns 10C, dá para sair na rua de camiseta, mas acho que o japonês respeita o inverno, talvez melhor botar alguma coisa por cima para não chamar atenção. Osaka é urbana de não dar folga, mesmo pensando em S Paulo, NY, ou Tokyo. Tem vários templos mas sem os jardins de Tokyo ou Kyoto. E muita rua de shopping. Numa delas dei de cara com a moça que tinha me dito em que estação de trem descer ontem. Bom, ela me encontrou, eu não teria reconhecido. Mas quando eu precisava de ajuda me perdi. Consegui ver o museu da moradia e da cidade, foi interessante mas acho que mesmo se tivesse mais de meia hora e soubesse japonês ainda acharia mais fraquinho que outros museus do tipo. A cidade é toda muito recente, de concreto.

Voltei para o hotel e tomei furô. Deu sono cedo, melhor sair e comer alguma coisa para não perder a sincronia com o relógio daqui. Come-se bastante fritura por aqui. O cozinheiro atrás do balcão mandou experimentar benishoga, gengibre vermelho frito. Na volta vi um clube ou bar de Go, já fechando. O cozinheiro passou por mim e dissemos boa noite. Então já conheço 2 pessoas em Osaka.

2a. Hoje começa a conferência.

16 novembro 2015

A mídia manipula

Quem anda reclamando que a imprensa dá atenção ao terrorismo na França mas não ao terrorismo no Líbano, no Egito, no Kenya, na Nigéria, não passou as últimas semanas falando sobre o Líbano, o Kenya, ou a Nigéria. Estavam reclamando que os Estados Unidos e Israel não deixam os terroristas que cometeram os atentados no Líbano, no Egito, no Kenya, na Nigéria, em Israel, e na França agirem livremente.

Quem anda reclamando que a imprensa não dá destaque ao desastre ambiental em Mariana não passou os últimos meses falando sobre problemas ambientais. Estavam reclamando que a imprensa fala demais sobre problemas da Petrobrás, inclusive vazamentos de óleo e dinheiro, em vez de escrever que a culpa é exclusivamente do governo FHC.

08 novembro 2015

Viadutos

O problema de S Paulo é que a prioridade absoluta ao transporte motorizado individual, que já tem mais de 50 anos, convenceu todo mundo que o melhor é comprar carro e andar de carro sempre que possível. Mas não há espaço para tantos carros nem recursos para criar vias que os comportem.

Então os carros andam devagar e por consequência os outros meios de transporte ficam mais lentos ainda. A resposta dos planejadores tem sempre sido priorizar mais ainda o automóvel em detrimento dos demais meios. Consequentemente, mais usuários são convencidos a andar de carro e se estabelece um ciclo vicioso. A única saída é priorizar todas as outras formas de transporte: coletivos, metrô, bicicleta, e pedestres. Se isso não for feito, o trânsito continua piorando como tem piorado há décadas.

O caso do viaduto da 9 de Julho em particular precisaria ser estudado com cuidado. Não tenho informação para fazer isso. Mas em geral uma intervenção que privilegia o transporte público melhora o trânsito. Essa é a conclusão inevitável da análise de engenharia. O resto é bate-boca partidário sem maior relevância para a cidade.

05 novembro 2015

News today - taking notes.

Russia and Iran getting deeper in trouble with the Syrian civil war.
Russia's Syria force grows to 4,000, U.S. officials say http://reut.rs/1WBgR6C via @Reuters
Iranian commanders refuse orders to fight in Syria, report says http://www.jpost.com/page.aspx?pageid=7&articleid=432035
Fourth Iranian Revolutionary Guards Commander Said Killed In Syria http://www.rferl.org/content/fourth-iranian-revolutionary-guards-commander-said-killed-in-syria-soleimani/27344005.html via @RFERL
Britain, Concerned About Russian Crash, Halts Sinai Flights http://nyti.ms/1RvGYKW

(Was the Russian jet destroyed using Russian missiles?) Likewise the Saudis in Yemen.
Victory proves elusive in Saudi king's Yemen war http://reut.rs/1N8x2U6 via @Reuters

Considering that there existed no viable US strategy to prevent the war in Syria or in Yemen, the Obama strategy is having the effect of maximizing the damage to Russia, Iran, and the Saudis. That doesn't help the Syrians - nothing would - but it's best for the rest of us. Meanwhile the US has its own problems.
Heartland of Darkness http://nyti.ms/1iCXCwb via @NytimesKrugman

Explanation perhaps to be inferred from Asian-American immunity, thanks to the high value placed on education which confers similar immunity to the Jews, to the right-wing propaganda that's so damaging to the working classes.
Why Are Asian-Americans Such Loyal Democrats? http://nyti.ms/1MH2zCa

25 outubro 2015

Grotesca prova de história do Enem

História não, chama-se "Ciências humanas e suas tecnologias" (não me pergunte). Tinha muito questão inacreditavelmente ruim, e não são as questões das quais os antipetistas estão reclamando.. A prova não inspira confiança. Exemplos:

A questão que cita Zizek sobre "árabes maometanos do Afeganistão" talvez seja a mais grotesca.

Várias questões sobre filosofia abstrata, distante, Mannheim, Aldaberon de Laon (????).... Em geral muitas perguntas excessivamente "teóricas", diria até elitistas.... 

Perguntas com viés anti-estadunidense, tipo falar da crise de 2008 (que não teve muita repercussão no Brasil, ao contrário de tantas outras crises que tivemos) ou escolher uma fala de um líder angolano sobre os EUA em vez de falar sobre a África.

Elogio rasgado à lei eleitoral da ditadura Vargas, que não aplicou lei eleitoral nenhuma - e do ano de 1932, sugerindo um viés anti-paulista.

Besteirol sobre represálias econômicas entre EUA e Alemanha, um não-fato em nações próximas que praticam comércio muito livre.

Outra questão sobre África fala da 2a Guerra, na qual a África pouco participou - as questões com foco na África servem apenas para criticar o assim-chamado Ocidente, uma forma de eurocentrismo particularmente perniciosa.

Questão sobre globalização de cunho doutrinário, assim como outras sobre movimentos sociais.

Muito uso de fontes não confiáveis, parciais e ideológicas. No meio tem algumas questões que parecem razoáveis.

A quote too precious to pass, too long to tweet

“I have no feeling for the electorate anymore,” said John H. Sununu, the former New Hampshire governor who helped the elder Mr. Bush win the 1988 primary there and went on to serve as his White House chief of staff. “It is not responding the way it used to. Their priorities are so different that if I tried to analyze it I’d be making it up.”

Left unsaid: They now believe all elections are about Willie Horton. Don't they understand that was just a one-time trick? How was I expected to know the voters would actually believe the lies we told them?

http://nyti.ms/1LUs4hd


19 outubro 2015

Serviços de telecomunicações

Do melhor para o pior, entre os que uso em Massachusetts e em S Paulo.
1 - RCN (MA). Banda larga via cabo. Caro, $75 por banda mais que suficiente, mas não dá dor de cabeça.
2 - H2O (MA). Celular e internet pré-paga, revende serviço da AT&T. Recarga via internet. Uso pouco, gasto pouco. Não dá dor de cabeça.
3 - TIM (SP). Celular e internet pré-paga. Por volta de R$1 por dia de uso, fora telefonemas. Não é muito confiável mas dá para o gasto. Vale o que custa.
4 - AT&T (MA). O mesmo serviço da H2O, com planos caros e complicados, às vezes é necessário usar o serviço irritante e propositalmente incompetente.
5 - Verizon Broadband (MA). Quase o mesmo preço do que RCN por uma banda muito menor. Serviço horrendo, caía a toda hora. Abandonei.
6 - Vivo Internet (SP). O pior de todos, de longe. Banda é aceitável, quando funciona sem falhas, o que acontece em raros dias. Serviço irritante e manutenção desleixada. Pagamento confuso, cobranças duplicadas. Pela banda oferecida, R$70 por mês é mais caro que o serviço da RCN, mesmo com a maxidesvalorização do real. Cobra também pelo serviço não fornecido. Para quem depende da internet para trabalhar, um desastre.

18 outubro 2015

A história do Brasil através das fotos

Identifique os eventos históricos mostrados nas 10 imagens anexas e ganhe uma pizza, a retirar na Vila Madalena, na 4a feira que vem, dia do funcionário público não trabalhar.











15 outubro 2015

The missile gap - it's back!

Watch your wallets. I can't resist poking fun at this NYT article, though not even the remaining follower will care.

“Russia is now a military power that could overwhelm any of its neighbors, if they were isolated from Western support,” Yes, Russia is stronger than Moldavia, and even Finland or Denmark, unless the Swedes help. Am I scared or not?

“What continues to impress me is their ability to move a lot of stuff real far, real fast,” Russia set up its main operations... in northwestern Syria in a matter of three weeks... it has also deployed large field kitchens and even dancers and singers to entertain the troops... They set up a nightclub in the Mediterranean - what can't Russia do using the internet?

...despite the loss of four cruise missiles that crashed in Iran in one salvo...Russia’s state television network boasted on Monday that from the Caspian, they could reach the Persian Gulf, the Arabian Peninsula and the “entire Mediterranean Sea.” They just wouldn't know in which of the places the missiles landed until they read Haaretz next morning.

the head of Iran’s paramilitary Quds Force, went to Moscow in late July.... did he have a nice trip?!

09 outubro 2015

Carta aberta ao Prof Mauro Borges Lemos

Prezado professor Mauro Borges,

Em setembro de 2014 tive a oportunidade de assistir sua conferência realizada na Universidade de Minas Gerais durante o Congresso Brasileiro de Automática. Ouvi com interesse sua exposição sobre a política industrial então praticada pelo governo federal, tendo ficado particularmente impressionado com sua defesa da retomada da política industrial, que nas suas palavras não era mais feita no Brasil desde os anos 1970. Por temperamento e por experiência de engenheiro eu não tenho grande simpatia pela política industrial nesses moldes: os benefícios concedidos a setores mais dinâmicos na obtenção de benefícios oficiais tendem a se transformar em obstáculos para setores mais dinâmicos tecnologicamente, mesmo quando os agentes não cedem às tentações da corrupção. Adicionalmente compartilho da opinião generalizada e amplamente apoiada pelos fatos de que o resultado da política industrial do governo Geisel foi absolutamente desastroso para a economia e a engenharia nacionais.

Mas entendo que existem argumentos intelectuais a favor dessas políticas e fiquei impressionado com a sinceridade com a qual você os apresentou.

Devo então agora dizer que estou abismado com as notícias de que durante sua administração, logo antes de sua palestra no CBA, o Ministério do Desenvolvimento concedeu benefícios fiscais à operadora de esquemas de propinas CAOA. Trata-se exatamente do tipo de negócio que dá mau nome à concessão de vantagens pelo governo: beneficia uma empresa que não faz qualquer contribuição à indústria ou tecnologias nacionais, e cujo produto principal é a capacidade de obter favores dos donos do poder por meios imorais e ilícitos.

Além de servirem para falsificar mais uma vez toda a argumentação a favor de políticas de desenvolvimento industriais baseadas em barreiras alfandegárias e subsídios, infelizmente essas notícias colocam em questão a sinceridade das posições tão eloquentemente expressas na palestra, e a reputação construída ao longo de toda sua carreira. Honestamente, estou chocado.

16 setembro 2015

A situação dos sírios poderia ser muito pior

Em 2007 Israel destruiu uma fábrica de armamentos nucleares fornecida pela Coreia do Norte ao ditador da Síria. Pelo que entendo a instalação destruída fica em região hoje controlada pelo Daesh, ou dipustada.

Se o então 1o ministro Olmert e o ministro da defesa Barak, apoiados por Netanyahu que era líder da oposição, não tivessem tomado a iniciativa, é bem possível que hoje tanto o governo como o ISIS teriam cesso a material nuclear com usos militares. Não há como saber qual o potencial destrutivo que o material vindo da fábrica teria hoje, nem de que formas chegariam a ser usados, mas dá para ter certeza que a situação dos sírios seria mais triste ainda.

13 setembro 2015

Qual é o problema do Brasil? #resumo

A economia está em recessão. Isso exige aumento do déficit do governo. Se os impostos não diminuírem e os investimentos não aumentarem, a arrecadação cai e o déficit aumenta igualmente.

Num prazo mais longo, as despesas públicas vão continuar aumentando. Isso exige aumento de impostos, ou corte de programas. Não imediatamente, porque teria efeito contrário do desejado sobre as contas públicas, mas assim que a recessão terminar. Até aqui, coisa de manual.

O problema é que com o governo atual o eleitor suspeita que os gastos serão roubados, e o contribuinte tem certeza que os futuros aumentos de impostos vão ser roubados antes mesmo de serem arrecadados. Então com o governo atual não há solução. #prontofalei

20 agosto 2015

Acusados de fazer engenharia

Pelo que entendi da sequência de artigos no Estadão, os professores Cardoso, Kazuo, e Tannuri foram acusados de fazer engenharia. Não sei o que levou o jornal a publicar essas assim-chamadas acusações. Talvez tenham sido fabricadas por empresas que se sentiram prejudicadas pela competência destes professores da Poli. Ou por sindicalistas que se opõem por princípio a que professores façam engenharia. Ou ainda por funcionários rancorosos afastados das organizações envolvidas. Pode até haver alguma motivação política: gerar factoides para ocupar o espaço que a corrupção quaquilionária ocupa na imprensa. Talvez o suposto jornalista simplesmente quisesse publicar alguma coisa, e os editores do jornal em dificuldades financeiras não tenham tido tempo para examinar criteriosamente se as acusações continham alguma acusação. Sei lá. Mas se fazer engenharia é contra a lei, então eles são culpados.

21 julho 2015

Jornais se beneficiam da ausência de censura

Mais uma manchete para a história do jornalismo, no Diário do Centro do Mundo: "Jornais e revistas se beneficiam da ausência de regras que punam erros". Surpresa, surpresa, pensei que bom para os jornais era CADEIA para os jornalistas que fazem reportagens que o Grande Irmão acha incorretas.

É sempre instrutivo ler os defensores da regulação da imprensa admitirem que seu objetivo é o controle do conteúdo das reportagens. Não faço esse comentário lá no próprio Diário porque fui censurado.

O fato é o seguinte: se a imprensa fosse controlada pela massa de manobra social do Partido, como querem os defensores do controle, o Cunha não estaria sendo investigado e continuaria como grande defensor do governo petista, sem xiliques.

05 julho 2015

Exemplar de blog pró-censura

Alguma discussão nas redes me indicou uma matéria cujo teto era "como é que alguém pode falar uma coisa dessas e não ir para a cadeia?" Coloquei uma resposta dizendo que poder falar o que quer, mesmo desagradando outros, e ter que ouvir o que desagrada, é intrínseco à democracia. Meu comentário foi removido, então repostei. Isso aconteceu repetidas vezes. Então vou aproveitar que o sistema Disqus guarda arquivos e postar aqui.

Não acho necessário ler os detalhes. Os labels vermelhos "removed" são suficientes para mostrar porque me preocupo com esses blogs que recebem apoio do governo fora de proporção com todos os outros meios de comunicação. Não é o desperdício do $ do contribuinte, mas o fato aqui documentado que eles têm uma agenda muito clara de supressão da liberdade de expressão. Da mesma forma como eles eliminam as opiniões contrárias às posições deles no próprio blog, eles eliminariam todas as opiniões contrárias através da ação policial se tomassem o poder. É isso que defendem, e confirmam pelas ações.

São uma ameaça grave à democracia, que você sustenta com seus tributos.


21 junho 2015

busca google: andres guzman senador boliviano

A busca só retorna notícias sobre a morte de Olacyr de Moraes, e sobre o assassinato do ex-senador boliviano Andrés Fermin Heredia Guzmán, em abril de 2014, pelo motorista do rei da soja, que se disse revoltado contra o senador que estaria extorquindo o patrão.

Quem foi o ex-senador boliviano? O que fazia no Brasil? Foi apurado o verdadeiro motivo do assassinato? O assassino confesso foi julgado?

Fiquei curioso, mas não descobri. Os jornais aparentemente só se interessaram pelo senador durante alguns curtos dias após sua morte. Bem diferente do nunca esclarecido crime do restaurante chinês.

15 junho 2015

Grécia e euro

Se a Grécia sair da euro e der errado, para a Europa é um desastre. Se sair e der certo, mostra que dá para sair do euro, e para a Europa é um desastre.

Mesmo assim, os europeus estão dizendo que a Grécia não tem nada a ganhar ficando no euro - pode fazer o que conseguir, a Europa vai exigir mais. Se não tem nada a ganhar, ficando, então não tem nada a perder saindo.

Talvez eu esteja errado, mas continuo achando que a posição dos europeus é de uma burrice federal.

Candidatos do PSDB à prefeitura de S Paulo

2012 José Serra
2008 Geraldo Alckmin
2004 José Serra
2000 Geraldo Alckmin
1996 José Serra
1992 Fábio Feldmann
1988 José Serra

13 junho 2015

Optativas livres em língua estrangeira

Nos informa a reitoria da USP: "A partir do segundo semestre deste ano, as Unidades de Ensino e Pesquisa da USP poderão oferecer disciplinas optativas livres em língua estrangeira em seus cursos de Graduação".

Um minúsculo passo para a USP, um enorme esforço para a burocra. Seja como for, a optativa livre PTC 666 - Controle Avançado, que começa agora em agosto de 2015, vai ser bilíngue, se os alunos tiverem interesse.

Os trabalhos podem ser entregues nas línguas oficiais da OEA: português, inglês, francês, e castelhano. Outras línguas sob consulta, por favor.

10 junho 2015

Listas de melhores universidades

Saiu mais uma lista de melhores universidades. Porque é matéria de jornal? Algumas dessas listas não têm metodologia nenhuma. Vocês já responderam os questionários deles? Eu já, então eles me mandam emails quando as listas ficam prontas. Perguntam para um montão de pesquisadores escolhidos a esmo quais são as melhores universidades, e fazem uma competição de popularidade.

O resultado não é totalmente aleatório - as universidades maiores têm mais votos, e também universidades das quais as pessoas gostam de falar bem. Faço uma aposta que as universidades dos países escandinavos têm um handicap nesses concursos de popularidade. E que saem na frente universidades em países ou regiões com população universitária grande, nacionalista no sentido de complexo de vira-lata, e com muito pesquisador sem mais coisa para fazer além de auto-elogios.

Os resultados não estão necessariamente errados - mas o caminho é indireto. A USP sai na frente na América Latina, por suas conhecidas qualidades, mais pelas conhecidas do que pelas qualidades. Na Ásia, as universidades japonesas saem atrás. As universidades israelenses mal aparecem nos rankings asiáticos, apesar de serem as únicas sérias do Oriente Médio, porque a população do país é pequena. Em resumo, não existe motivo para prestar muita atenção na maioria desses rankings.

29 maio 2015

Pena dos políticos palestinos #FIFA

Estou com pena dos políticos palestinos. Finalmente tinham encontrado uma forma de resistência pacífica, sem violência, bem fundamentada, sem a mácula do ódio anti-judaico. Suspender Israel da FIFA era uma iniciativa que tinha boas chances de ser bem sucedida, tinha um alvo e uma justificativa contra ações israelenses que atrapalham a vida dos palestinos, e mais importante, não constituía uma ameaça existencial que poria os israelenses na defensiva, mas sim seria uma derrota humilhante que faria eles reconsiderarem suas posições.

Daí estourou o escândalo da FIFA, bem na hora que a coisa estava andando. Agora, ser expulso da FIFA seria uma honra. Vergonha é continuar na FIFA com o Qatar e a Rússia. Finalmente uma estratégia boa, e deu errado do mesmo jeito. É muito azar.

26 maio 2015

Aumento de salários na USP

Ano passado a reitoria disse que ia dar zero bola de aumento e não ia negociar nada. No final teve que dar tudo que os grevistas pediram e ainda saiu humilhada. Os grevistas nem se deram ao trabalho de fingir que compensavam as horas paradas. Em muitos casos a diferença entre trabalho e greve é pouca, nem deu para perceber se estavam repondo ou não. O importante é que receberam pelos meses da greve, porque afinal quem não recebe quando não trabalha é proletário explorado, funcionário público tem que ser tratado com mais respeito. É uma questão de justiça social.

Conforme todo mundo previa, o resultado é que esse ano a reitoria já começou oferencendo reajuste integral das perdas com a inflação em alta, e os grevistas já iniciaram a campanha pedindo uns trocentos por cento de aumento e ameaçando greve. Desde a Constituição de 1988 já se sabe que não vai ter greve esse ano porque não é eleitoral, e se não prejudica o governador partidariamente, a greve não beneficia ninguém. Quer dizer, é sempre mais uma oportunidade para não trabalhar, mas a diferença é pequena, não vale o esforço de contratar caminhão de som. Fundamental é que o funcionário da USP não pode se sujeitar ao teto salarial igual ao salário do governador. É outra questão de justiça social, salário de 30, 40, 60 mil-réis por mês. Cortar isso é violar as conquistas dos trabalhadores mais humildes.

Antes que se esqueça, as demissões voluntárias deram com burros n'água. Foi um custo inicial grande com indenizações, que queimou metade do resto das reservas financeiras da universidade mas não diminuiu as despesas correntes, como a metade da torcida do Corinthians que lê esse blog já sabia. O mais provável é que saíram uns poucos que conseguem ganhar mais em empresas privadas, aqueles que estavam tocando o serviço, e outros que anteciparam a aposentadoria, resultando num custo maior para o Estado mas fora do orçamento da USP. Quem souber os detalhes não me conte.

17 maio 2015

Por viver em país que ainda não se construiu como nação, penso que.....

Li num artigo sobre economia na Folha a frase acima.

1a reação foi revolta. Como assim, não se construiu como nação? Milhões de compatriotas debatendo com vigor nas urnas, nas ruas, nas redes sociais, cada um defendendo suas opiniões sobre o futuro do país, e não somos nação? Encontre um brasileiro de qualquer parte do país ou qualquer situação social em qualquer parte do mundo, a conversa imediatamente se volta para elogiar ou criticar ou relembrar a pátria amada, porque tanta conversa só pode ser por amor, se isso não é nação, o quê é?

2a reação foi analítica. O que significa "não ter se construído como nação"? O conceito não está definido no artigo. Qualquer que fosse a definição, não vejo como pode ser usada para tomar posições sobre assuntos concretos, como o nível desejável da taxa de juros, ou sobre quais os destinos mais apropriados para o dinheiro arrecadado do contribuinte. Academicamente era para rejeitar a submissão como fracamente fundamentada.

3a reação é medo. O Brasil só não é uma nação se o conceito exige alguma uniformidade racial, cultural, religiosa, ou ideológica, que nunca tivemos nem nunca vamos ter, com a graça de Deus, e que só poderia ser atingida, talvez or 12 ou por 68 anos, com extremos de violência que nos são tão estranhos como repugnantes.

Está bom, saiu na Folha, não é para levar a sério. A autora não é do mal. Mas deve refletir algum pensamento que não considera o Brasil como nação enquanto não seguirem todos integralmente alguma cartilha.

04 maio 2015

Petistas, o general Médici, e Millôr Fernandes

Quando vejo a esquerda brasileira recrudescendo sua campanha contra a imprensa e as eleições diretas, me lembro do que escreveu o Millôr no longínquo ano de 1964:

"Quem avisa, amigo é: se o governo continuar deixando que certos jornalistas falem em eleições; se o governo continuar deixando que determinados jornais façam restrições à sua política financeira; se o governo continuar deixando que alguns políticos teimem em manter suas candidaturas; se o governo continuar deixando que algumas pessoas pensem por sua própria cabeça; e, sobretudo, se o governo continuar deixando que circule esta revista, com toda sua irreverência e crítica, dentro em breve estaremos caindo numa democracia."

Não li quando saiu, por analfabetismo, mas um pouco depois, já na época da censura brava, não esqueci. Outros não leram, ou esqueceram, ou não entenderam.

26 abril 2015

Some posts about the Brookline override

Some posts and notes I wrote about the Brookline override.

There are several erros in the con argument. The major ones that I identified easily are:

 1 - Voting against the whole request just to lower the amount by some 20% does not make sense. It will delay the process unnecessarily, for an unknown amount of time, in exchange for a small and uncertain savings.
2 - Property taxes are progressive. The wealthier own and pay more, and less well-to-do folks live in smaller properties and will have much smaller raises. It is the less affluent who most benefit from quality public education and from reliable public services that make an increase in taxes necessary.
 3 - The article claims that the town can tap more than $2 million in "identified" cost savings and revenue increases but does not identify them, most likely because such savings do not exist. The town's expenses are mostly salaries and there is no way to save without losing personnel. Towns are not retailers, they make money from taxes, not from unspecified "other revenues".
 4 - The benefits of the expenditures are clear to all who experience the quality of Brookline Public Schools as well as the other services that Brookline provides. To claim otherwise without a solid reasoning is almost offensive to Brookline's teachers, as well as other public workers, police and firefighters.

 I sincerely do not think that the argument of the no campaign is logically sustainable.

Let me answer why.
 1 - Our taxes are not high. The residential tax rate in Brookline is ⅔ of the Massachusetts median.
 2 - We should vote for the override because the town needs more money to continue operating school well. This is a benefit to all residents and homeowners, both in terms of quality of life and of maintaining property values.
 3 - Lastly, we should all support public education because it is a public good. The current students are the next generation that will make this country prosper. Spending on our schools is an investment in the future, it is a basic question of patriotism. Have a good vote!

Also, comparing only single-family homes is irrelevant. When people decide to buy a home on Brookline they are trading off more space for the benefit of a more urban location. The choice might come to a 2-family home in Brookline against a 1-family home in a neighboring town. Leaving aside condos makes the data biased.

The proposal for a 9th school was a manner of dealing with increased enrollment. As I understand no suitable place was found. Even if it had been, the town would still need to vote YES on an override to pay for more staff and vote YES on a debt increase to pay for construction.

 I have to say I strongly object to the negative tone which is often used when referring to renters. People rent for many reasons, and renters are not less part of a community just because they decided not to take on a large debt. Renters pay full taxes, in fact rental property does not have a residential exemption, so it is actually taxed at a higher rate. My family rented for many years in Brookline until we decided that we could afford to buy.

Honestly, I found that the proposal for the override was explained to my satisfaction. If we don't pass YES on both questions, the schools will have to operate at a lower budget. Every penny in the budget is accounted for, so there would have to be cuts that will make the school not function as well. The quality of education will suffer. If some people are willing to make our students suffer in order to make a point about their opinion against school administration, then I suppose they should indeed vote against the override. I am voting YES.

 The residential tax rate in Brookline is 10/1000. The Massachusetts median is 15/1000. The statement that tax rates are high here is false, and the rest of the argument is equally nonsense. Let's stop feeding the trolls. The schools need more money to operate properly, and this is it.

One may suspect that many of the override opponents don't have much of an issue with the tax amount - many of them seem quite able to afford our fairly low taxes anyway. Rather, they declare themselves willing to lower the quality of our schools in order to make one point or another. That would be just speculation, except that in the case of the two aforementioned gentleman they have declared what their point is: keep those people out of our schools, even if we have to make the schools worse in order to achieve that. The opponents have spoken; the matter is settled.


http://www.city-data.com/city/Brookline-Massachusetts.html
 Estimated median house or condo value in 2012: $630,368 (it was $395,300 in 2000)
Brookline: $630,368
MA: $323,800
 Residential exemption: $191,357
 Tax rate: 1.1%
 Median tax: about $5500

25 abril 2015

Tem que andar de bicicleta

Isso me lembra, de todas as coisas, o ministro das Minas e Energia do tempo do Geisel, Shigueaki Ueki. Houve a crise do petróleo. O Brasil tinha dificuldade de pagar os aumentos impostos pelos países do Golfo Pérsico, porque as contas nacionais estavam uma bagunça depois de anos de ditadura.

O governo bolou uns esquemas meio bestas para fechar as contas, incluindo desde confiscos e racionamentos, até rifar voto nas Nações Unidas. Seja lá como for, em algum momento, perguntaram ao ministro o que aconteceria se a falta de petróleo chegasse ao Brasil. Ele respondeu que se não conseguíssemos importar petróleo todo mundo ia ter que andar de bicicleta como faziam os europeus.

Os "bem pensantes" fizeram uma crítica esportiva, na verdade escarnecedora definiria melhor. Em geral em tom racista, por o ministro ser nissei. Eu era moleque mas senti uma dissonância cognitiva. Os adultos não gostavam da ditadura e falavam mal do ministro por ser japonês? Criticavam as ditaduras árabes mas não aceitavam qq esforço para usar menos gasolina? Escarneciam mas não conseguiam imaginar solução? Não queriam racionamento nem aumento de preço?

O mais inesquecível eram os comentaristas dizendo "tem que andar de bichicreta" como se imitar um pretenso sotaque estrangeiro - que o culto ministro não tinha - desqualificasse sua opinião.

Para mim foi formativo. Ficou na cabeça como exemplo da estupidez humana. Muito mais tarde encontrei o ministro numa festa de criança. Passou a impressão de um cidadão educado, culto, patriota. Talvez tenha errado bastante. Quem não? Um episódio instrutivo.

Piada de português

Era uma vez um time de futebol alemão. O técnico era o Joaquim e o goleiro era o Manuel. Quem achar que estou fazendo piada de português perde de 7 a 1.

22 abril 2015

Terceirização

Honestamente, não vejo muito problema. Na minha opinião é indispensável que exista um sistema de segurança para quem fica sem emprego, ou tem outro problema - doença, azares da vida - que impede de ganhar a vida decentemente. Flexibilidade nas relações de trabalho é positiva. E regras rígidas não resolvem os problemas causados pela falta de segurança social.

Mas existe uma questão incômoda. No Brasil as regras rígidas defendem os interesses de uma camada da população, os que conseguiram uma situação relativamente confortável, tais como funcionários públicos e de setores com sindicatos fortes. A maior parte da população não tem benefícios concretos com essas regras. Um exemplo claro, embora talvez extremo, é a USP. Os funcionários têm proteção total, mas os terceirizados ganham uma miséria, apesar de todas as CLTs e tribunais. Nossa sociedade é muito desigual. Os protegidos pelas regras rígidas não se contentam com as garantias sociais que podem ser oferecidas "ao povão", muito mais carente. Então exigem essas garantias especiais, dirigidas aos remediados, que não beneficiam as massas.

Não vou dizer que estão totalmente errados. Consigo imaginar um engenheiro dinamarquês que perde o emprego e diz: "vou pegar o seguro-desemprego do povão, depois se não conseguir me colocar como engenheiro trabalho em obra mesmo que dá para tocar a vida". Por isso na Dinamarca o mercado de trabalho pode ser muito flexível. No Brasil, a situação é diferente, e as pressões são diferentes. Mas as regras tornam o trabalho todo menos produtivo. É mais uma maneira pela qual as desigualdades sociais atrapalham o bom funcionamento da economia: criando pressões para regulamentação contra-producente, e que reforça as desigualdades.

E há um problema com a discussão usando estatísticas sobre salários de terceirizados serem menores: pode muito bem ser que as empresas que subcontratam aumentam muito sua produtividade, por focarem na atividades em que têm vantagens competitivas, e com isso pagam mais aos funcionários contratados, que são parte dessa vantagem. Os subcontratados continuam sendo pagos pelos valores de mercado, ou pelo trabalho socialmente necessário para fazer aquele serviço, e não se beneficiam diretamente da melhoria do processo produtivo. Por outro lado, os terceirizados da USP, que não têm proteção sindical, ganham muito menos do que os funcionários contratados que tem produtividade muito menor. Não sei dizer se esse fato milita contra ou a favor da terceirização, mas tenho certeza que apresentando como argumento as posições dos contra e a favor da terceirização se invertem.

03 abril 2015

I can't even reject this paper

Dear Editor-in-Chief, Submission #xyz, entitled "***" concerns high-gain control. To accept a paper on high-gain control I would have to deny the Holy Trinity, in the name of Bode, Nyquist, and the Root Locus. That would violate my calling to teach Classical Control to whomever will listen to the Number. Therefore I am not able to read this submission in an impartial manner and respectfully request to be excused from associate editing it, for reasons of innermost conviction. I am grateful for your attention to this request, Felipe

01 abril 2015

Algumas escolas continuam homenageando ditadores

O governador do Maranhão mudou os nomes das escolas que homenageavam presidentes da ditadura, Castelo Branco, Costa e Silva, e Medici, porque foram ditadores que violaram a constituição.

As escolas com nomes de outros ditadores que violaram a constituição, Deodoro da Fonseca, Floriano Peixoto, e Getulio Vargas, mantiveram seus nomes. Os golpes militares de 1889 e 1930 foram tão nefastos como o de 1964. Podemos discutir detalhes, mas a crítica apenas ao golpe mais recente é a-histórica, pouco construtiva, e no final das contas antidemocrática.

31 março 2015

Duas narrativas econômicas

O Brasil está em recessão. Há 2 narrativas.

1 - O Banco Central aumentou os juros e a União arrochou os gastos para evitar superaquecimento e cortar a inflação. Assim que passar o aperto a economia volta a crescer com inflação mais baixa. Estamos no que Paul Krugman chama de recessão moderna. A diferença em relação aos Estados Unidos é que no Brasil o Banco Central é mais politizado e menos independente, age mais afinado com o executivo. Vai ser uma recessão curta. Um pouco atrasada pelo calendário eleitoral mas essencialmente de acordo com a cartilha. A política de investimentos estatais dos últimos anos vai se revelar acertada e os opositores vão ter que comer seus chapéus quando os investimentos começarem a dar lucros para a sociedade.

2 - Estamos no final de uma bolha de investimentos mal dirigidos liderados pela União, especialmente através dos bancos estatais. Trata-se de um tipo de recessão pós moderna, prolongada, uma sinuca difícil de resolver usando os instrumentos tradicionais da política econômica. Diferentemente da recessão americana de 2008, causada por excessos privados, no Brasil os maiores excessos foram da União. Só o BNDES emprestou 1 trilhão de réis nos últimos anos! Nesse caso são os defensores da política econômica do último governo que vão admitir que estavam errados, rever suas posições, reler os clássicos, e reconhecer que Keynes não disse o que eles disseram que Keynes tinha dito.

Essa narrativa comporta 2 desfechos.

2a - Como a maioria das dívidas podres está concentrada nos bancos e empresas estatais, o Tesouro assume o prejuízo, recapitaliza essas instituições, e a economia volta a crescer, embora com a dívida publica dobrada. Todo o mundo já tinha precificado que dívida líquida é igual à dívida bruta, que os créditos da União com os bancos estatais não tem valor, então as contas voltam ao normal após o choque.

2b - A recessão se prolonga, porque o governo não consegue apoio político para recapitalizar os bancos estatais; ou porque não compreende a situação e busca receber os empréstimos de volta para evitar a inadimplência; ou porque a bolha se espalhou por bancos e empresas privadas cuja recapitalização pelo Tesouro é muito mais complexa financeiramente e politicamente.

Segundo as narrativas 1, 2a, ou 2b, a recessão pode demorar 1 ano, 3 anos, ou 5 anos. Ou outro número. Eu não sei. A única certeza é que o trecho a respeito dos economistas heterodoxos reverem suas posições não vai se verificar. A economia enquanto ciência progride funeral por funeral.

16 março 2015

Sucessão presidencial

Dilma renuncia. Vice Temer, julgando-se sem apoio para exercer mandato pleno, e entendendo que o atual presidente da Câmara dos Deputados não tem sustentação suficiente para conduzir o país, negocia uma nova eleição para presidente da Câmara, e depois renuncia.

Não vai acontecer. Mas se acontecer, você leu aqui primeiro: na hora vai dar Maluf. De corrupção ele entende.

09 fevereiro 2015

Caiu o prestígio dos políticos!

Circula por aí que a avaliação da presidente, do governador, e do prefeito pioraram. Nenhuma surpresa: a situação está piorando. O eleitor vai dizer o que: "a culpa é toda minha"?

A diferença é que a Dilma leva a culpa pelos erros; o Alckmin, pelo que não faz; e o Haddad é criticado pelos acertos.

05 fevereiro 2015

Falta d'água

Não sou conhecedor da questão da água. O objetivo desse post é corrigir umas bobagens que gente que sabe tanto quanto eu mas não tem o hábito de pensar anda repetindo como se fosse perito.

1 - O "agronegócio" usa mais da metade da água consumida por S Paulo. O número é falso. Não dá nem para dizer que é incorreto porque é meramente inventado. 

Não sei de onde vem o número de 70% que é citado por aí. Talvez a agricultura irrigada consuma uma fração grande da água retirada de seu curso natural em lugares como as planícies dos Estados Unidos, o Iraque mesopotâmico, ou os terraços de arroz da Cochinchina. No Brasil a agricultura usa muito a água da chuva, então o número é bem menor. Na cidade de S Paulo, onde realmente a falta de água mais preocupa, não existe muita agricultura, e menos ainda "agronegócio". 

O uso da palavra "agronegócio" nessas peças sobre a questão da água é bem revelador da má fé. Imagino que a intenção é utilizar a preocupação com a água para insuflar as pessoas contra os "negócios". Em geral esse número falsificado é usado em artigos de políticos da extrema esquerda e blogs chapa-branca "independentes". Ação sugerida: anotar quem escreveu, e depois usar a mentira como padrão de confiabilidade.

2 - O que vamos fazer quando acabar a água? Isso denota uma curiosa visão patrimonialista do abastecimento: "a água vem da Coroa, que mandou armazenar na represa. Quando acabar, não tem mais."

Falso. A água vem da chuva. Todo dia entra água no sistema, e sai água para distribuição e consumo. Sem reservatórios, a distribuição é menor que as retiradas de rios e aquíferos. Uns dias tem mais água entrando, outros menos. Não quer dizer que sem água acumulada não tem mais nada.

Ação sugerida: gastar menos água.

3 - Êxodo urbano. Todo mundo vai ter que sair de S Paulo para gastar menos água.

Tecnicamente pensando, o objetivo é economizar água até que a retirada fique igual à entrada, já que as reservas estão mínimas.

O jeito mais barato é diminuindo a pressão, o desperdício no sistema, essas coisas que a Sabesp fez meio atrasada.

O seguinte é diminuir os gastos inúteis, tipo lavar carro, imagino que agora estão diminuindo.

Um pouco mais dispendioso é diminuir os gastos de utilidade média, tipo indústria de alimentos, que ainda existe em S Paulo, gasta bastante água, e emprega uma fração pequena dos trabalhadores.

Depois ainda tem muitas economias com um custo significativo, mas não excessivo. O motivo para não adotar cada uma dessas alternativas é que a água continua barata e abundante na torneira, e a maioria das pessoas não quer gastar menos e deixar para o vizinho.

No final da linha está sair da cidade, que tem um custo de 100% do orçamento familiar, mais ou menos - mais para quem tem que arrumar outra residência, menos para quem tem emprego e moradia no outro lugar. De qq forma o custo social de diminuir o gasto em x% tirando x% das pessoas da cidade é incomensuravelmente maior que todas as outras alternativas.

Resumo executivo: há muita margem para diminuir o gasto de água até ficar igual às entradas no sistema. O mais racional envolve aumentar os preços. Individualmente cada um pode diminuir muito seu gasto, mas considerando que o preço da água continua uma fração minúscula das despesas totais, e que cada um acha que fica mais fácil para o vizinho economizar, não fazem. Em vez de gastar menos, abandonar escola, emprego, e moradia?

Êxodo urbano é uma alternativa tão irracional que minha cabeça de engenheiro não consegue se pronunciar. Ação sugerida: nenhuma.

4 - Porque está faltando chuva? Disso entendo menos ainda. Mas vou palpitar.

Com certeza existem fatores locais, regionais, e globais. Localmente, o ambiente em S Paulo mudou. A mancha urbana cresceu e se asfaltou. As temperaturas são um pouco maiores em média, oscilam mais, e a água escorre mais rápido. No estado, mudou mais ainda: o 2o ciclo da cana de açúcar transformou o estado inteiro. Para a água, uma plantação de cana deve ser mais parecida com um estacionamento do que com uma floresta.

Mais longe, o desmatamento no centro do país, mais ainda do que na Amazônia, afeta o regime de chuvas. E o aquecimento global com certeza também traz consequências desagradáveis variadas, não simplesmente alguns graus a mais no termômetro.

Ação sugerida: prestar mais atenção ao desmatamento regional como causa da falta de água do que nas outras explicações. 

02 fevereiro 2015

Crise moral: ninguém mais quer trabalhar

Para José Renato Nalini, desembargador, presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, o País vive “uma crise global, declínio dos valores”. Pois é, ninguém mais quer trabalhar. De fato:

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) vai reduzir pela metade o número de sessões. Em vez de trabalhar uma vez por semana, as sessões serão agora a cada 15 dias. A desculpa, segundo o presidente José Renato Nalini, é diminuir o consumo de água e energia na sede do Judiciário.

01 fevereiro 2015

Pode dar mais um doutorado para o professor da Sorbonne

Comentário sobre o artigo do professor Fernando Henrique no Estadão:

O professor está certo que toda a confusão da economia foi gerada pela tentativa de planejamento econômico dos últimos governos. O executivo quis agir como gerente de uma enorme empresa, mas o Brasil não é uma empresa, é um sistema cheio de interdependências onde cada ação cria realimentações, e agora está tudo desequilibrado.

Certo também a corrupção, parte integral do planejamento central, bagunçou a política partidária. Os partidos vão se reorganizar, e a justiça vai ter que punir.

Senão, pode dar confusão - "reforma partidária" é o eufemismo que os atuais donos do poder usam para dizer "autogolpe branco".

Como não vai haver golpe militar como no passado, se a reorganização não vier de dentro do Congresso e do Judiciário, poderia ser através de artimanhas do Executivo para manter o poder - eleição indireta, senadores biônicos, controle central da imprensa, e outras mumunhas. Acho que não vai ocorrer, então 4 questões respondidas corretamente pelo professor da Sorbonne. Pode dar mais um doutorado honorário para ele.

Fora voto distrital, que continua desejável a longo prazo em qq circunstância, todas as outras reformas constitucionais são ou uma tentativa de golpe anticonstitucional, ou um salto no escuro com consequências imprevisíveis.

31 janeiro 2015

Why was Blackwell's medal so late?

David Blackwell was awarded the National Medal of Science posthumously, 4 years after his death in 2010 at the age of 91. At the occasion President Obama gave the award to Alexandre Chorin and Thomas Kailath as well, among other recipients in areas I am less familiar with.

All awardees produced great work that we all should be proud of, basking in reflected glory. But it's not the case that each one single handedly changed their fields, as did Claude Shannon or Rudy Kalman, to name two earlier winners whose work I am familiar with.

Why then did Blackwell's medal have to wait 4 years after he died, and not at an unexpectedly young age? Sadly, the only conceivable reason is that racism still affects America, even at the highest levels of science.

And if someone adds that, yes, Blackwell was African-American, but he was also a Bayesian, then I suppose the juxtaposition might be taken as comment on the intellectual basis of the anti-Bayesian or frequentist movement.

19 janeiro 2015

Diplomacia incompetente

A diplomacia brasileira tem dado um show de incompetência. Em 2013 brigou com Obama, cancelando visita de estado. Em 2014 brigou com Israel, retirando o embaixador. Depois dos atentados terroristas em Paris, deu uma ignorativa à França. Agora conseguiu brigar com a Indonésia.

Os defensores do governo e do Itamaraty vão dizer que em um caso o Brasil estava certo, no outro era o outro país que estava errado. Mesmo se fosse verdade, não mudaria nada. O fato é que arrumamos desavença com nossos 2 mais antigos e poderosos aliados; no Levante, onde o Brasil tem crédito por se dar bem com todas as partes; e com um país grande, democrático, e pacífico, um aliado natural. Próximo passo vai ser o que, arrumar confusão com a Índia, o Japão, e o Canadá?

O objetivo da diplomacia é conseguir que o outro lado faça o que você quer, sem conflito. Em cada caso, o Brasil armou uma confusão e não obteve nada. Nota zero. O desempenho mais incompetente do Itamaraty certamente desde o governo Geisel, talvez de toda a história.

13 janeiro 2015

Silêncio ensurdecedor e oportunidade perdida

A Dilma devia ter mandado Fernando Henrique e Lula representarem o Brasil em Paris. Os ex-presidentes são respeitados no mundo inteiro e não têm compromissos inadiáveis em casa. Com as aulas (em francês!) e os discursos que teriam feito por lá, ninguém ia nem dar pela falta do Obama. Para a política brasileira um show de unidade não faria mal. A gerente podia ter ficado em Brasília cuidando da lojinha. Seria bom uso do Aerolula. E uma demonstração de soft power, que o desinteresse em questões internacionais não permite compreender.

11 janeiro 2015

Brazilian left: freedom of press to blame for Paris murders

In Brazil, the left has been pretty unanimous in blaming the victims for the murders in Paris. Without exception that I noted - there must be some, but there are so many tax-sponsored leftist parties and blogs that it is impossible to check - they argue that excessive freedom of the press is to blame for the attacks on a newspaper and a kosher supermarket in Paris. Only the degree to which the victims are to blame varies.

The left has been calling for central control of Brazilian media for a while; they argue that the Paris murders strengthen their argument for censorship. Statements to the effect that uncontrolled Brazilian media is partial for or against some political party show up frequently in the arguments about the terrorist attacks.

My opinion: in countries without complete freedom of expressions such things do not happen. Without freedom of expression, what happens is much worse.

Terminology: I will take cue from the controls literature and use the term central control. Distributed control of the media is what we have now: if you don't like it,  don't read it and don't write it. Central control would be performed by some combination - proposals vary in detail - of government councils, the party, and the secret police. Other terms, such as social control, censorship, economic control, ownership control, or state regulation, don't seem to describe the proposals very well.

08 janeiro 2015

Liberdade de expressão

O tema da semana é a liberdade de expressão. Vou falar sobre aquele mundinho autocentrado, a USP.

Incomoda muito que a USP não tenha entre seus milhares de estatutos e regulamentos uma definição clara da importância da liberdade de expressão, o valor mais alto da academia para professores e estudantes. Como ponto de partida sugiro ler um discurso do Peter Salovey "Free Speech at Yale". Mesmo nos Estados Unidos, onde a liberdade de expressão tem um status constitucional mais absoluto do que em todos os outros países que conheço, existem ameaças e restrições em outras universidades. O preço da liberdade é a eterna vigilância, e na minha opinião Yale é o melhor modelo nesse ponto.

Porque será que o ponto fundamental não é nem mencionado nas resmas de regimentos da USP? Para a explicação é necessário ler o Faoro: originalmente o Brasil não tinha propriamente lei, mas apenas instruções para atuação dos funcionários públicos, começando com as ordenações de origem portuguesa. Isso muda lentamente com a modernização do país, marcadamente com a Constituição de 1988, mas mesmo essa depois de uma 1a parte genial acaba voltando para as minúcias de um manual para barnabés.

A USP apenas está atrás do Brasil: as litanias estatutamentárias (ou estamentutárias - essa é a perfeita tradução do original javanês) ainda acompanham em espírito as ordenações manuelinas. Indicam como cada funcionário deve proceder em cada situação pré-determinada, de forma a evitar a ocorrência de ideias imprevistas, que podem ser o objetivo da ciência mas são abominadas pela burocra.

Para terminar, anexo carta que escrevi ao então reitor da USP em 1997, criticando ação que ele moveu com o objetivo de silenciar o debate na universidade. Recebi como resposta um ignorial, e de fato também recebi uma missiva ignorativa da Adusp, na época vítima da ação. Pela reação desta última não ficou claro que a associação corporativa tinha grande apreço à liberdade de expressão como valor em si.

É isso. Não faço cartuns, não tenho blog sobre políticos-bandidos, não arrisco a pele. Só critico acadêmicos, talvez porque ache mais confortável e seguro.

01 janeiro 2015

Manchete fraudulenta na Folha

A Folha traz hoje uma manchete acusando o governador eleito da Bahia de usar um "poema falso" no discurso de posse. O que é um poema falso?

Fraudulenta é a manchete do pasqüim paulistano. Será necessário explicar? O fato de que "alguém na internet" atribui o poema falsamente a Clarice Lispector não torna o governador cúmplice da fraude, como o desavisado leitor da manchete pode ser induzido a pensar. O governador não repetiu o erro, nem citou a autoria, o que fica claro pela leitura do artigo. Que faça o discurso que quiser.

É um desses artigos difíceis de explicar pela incompetência ou pela má fé isoladamente. Pena, porque a má vontade com o político, evidente pela vontade de procurar pulga em pelo de ovo, dá munição àqueles que acham que o tabloide piratiniguense persegue os petistas e usam isso para defender a volta da censura do tempo da ditadura.

Porque estou escrevendo sobre esse episódio irrelevante aqui? Porque a Folha não corrige seus erros. Alguns dias atrás saiu a manchete "Medina é o primeiro campeão mundial sem ter o inglês como idioma oficial".  Escrevi para o tabloide apontando que nem Austrália, nem Estados Unidos, nem Inglaterra têm língua oficial, mas recebi resposta ignorativa, e a bobagem continua no jornal sem correção. Talvez outro erro sem importância, na visão de alguns; nos Estados Unidos, o movimento para tornar o inglês língua oficial é coisa da extrema direita.

30 dezembro 2014

Walt and Mearsheimer

John Mearsheimer and Stephen Walt first came out of academic obscurity with their strong opposition to the Bush war in Iraq. Their to some extent sensible and in retrospect correct arguments failed to influence American decisions. The reasons, which their limited theoretical comprehension of politics has no means to fathom, have to do with the fact that political decisions are not made in an intellectual and rational vacuum. Faced with failure of their arguments, they responded in an old-fashioned way: blaming the Jews. Although they had not previously exhibited any signs of the disease, their anti-semitic screed gained them widespread credibility among the hard left, not so much in the US as abroad.

It has just now come to my attention that they have completed their move to full-fledged members of the fifth column by supporting Putin's invasion of the Ukraine, as well as a number of other tyrannies. One should not put it beneath a Harvard professor's dignity to have opinions shaped under the influence of lucrative grants from the neo-Tchekist regime. They would be joining, among others, the Le Pen supporters in France, most of which had in any case previously being associated with Moscow gold anyway. However I think it more likely that the transition through the extreme left into the extreme right came naturally and of their own accord, as a reaction to their own intellectual failures.

25 dezembro 2014

A verdade por trás do ministério da Dilma

A Dilma decidiu que queria um técnico para o ministério da Fazenda (o resto do ministério seria loteado para os partidos políticos). O Lula deu a sugestão de chamar um técnico alemão, de preferência aquele que ganhou de 7x1 do Brasil. A Agência de Inteligência informou que uma vez o cara foi filmado com dedo no nariz, mas nunca com dólar na cueca.

Só que ninguém fala alemão no governo, então falaram Joachim Löw mas ouviram Joaquim Levy. É técnico do mesmo jeito, ficou.

Essa história é verdade, não sei como ainda não saiu no jornal. Soube de uma fonte seguríssima. Não vou revelar porque é segredo jornalístico necessário ao exercício da profissão (Constituição de 1988, Art 5, XIV).

01 dezembro 2014

Fica a pergunta: alguém na Folha lê o que se escreve no jornal?

Há diversas falácias e non-sequiturs no artigo "USP, estupros e metrô" de Fernanda Mena publicado dia 1 dezembro nesta Folha.

O artigo começa falando de um problema seríssimo, violência sexual, mas em seguida muda de assunto dando a entender, sem qualquer argumentação, que o problema está relacionado com a escolha de reitor através da lista tríplice.

Em seguida o assunto muda abruptamente, para o transporte no campus. O tema é tratado na base do "ouvi dizer", sem qualquer indicação de que a versão sugerida pela coluna a respeito do metrô tenha sido investigada ou confirmada.

A coluna entremeia uma referência ao bairro de Higienópolis, sem relação com a universidade. Se for reconstruir ou deconstruir os non-sequitur a respeito de ônibus e segurança na USP que terminam a coluna, a correção ficaria mais longa do que o texto original.

Fica a pergunta: alguém na Folha lê o que se escreve no jornal?

Mandei a carta acima para a Folha em resposta ao artigo linkado abaixo. Não vou gastar mais tempo na resposta do que foi gasto para escrever a coluna. Um raciocínio estúpido assim compromete a credibilidade do jornal inteiro. Que comigo já era baixa, mas quem continuar lendo depois não venha dizer que eu não avisei.

“@pait: Texto incrivelmente ruim sobre USP na Folha. Opinionismo non-sequitur. Vale conferir a má qualidade do jornalismo. http://t.co/gurZVzbIqE”