Atendendo a algumas respostas apreciativas e inúmeras ignorativas, aqui está......

20 junho 2012

Na hora vai dar Maluf

Em que pese meu post sobre a eleição para prefeito de S Paulo esse ano, o debate, se é que assim pode ser chamado, vai ser lamentável, constituído de troca de acusações sobre corrupção em Brasília somado talvez a 1% de discussões sobre a cidade. Então vou escrever sobre o Maluf, coisa que queria fazer antes do bafafá sobre minutos na TV, aliança com Lula, e xilique da Erundina.

Fazia algum tempo que quero dizer que o Maluf é um grande injustiçado da política. Como é que Maluf se tornou sinônimo do mal? Porque todos o rejeitam? Pelas suas qualidades.

A esquerda odeia Maluf por seu amor a S Paulo e por representar o empreendedorismo do pequeno negócio. A esquerda perdoa gente ligada diretamente à opressão da ditadura e aceita nomes ligados a grandes empresas de tráfico de influência, mas não tolera Maluf. Erundina quer fechar os jornais que não apoiam o governo, como se faz na Argentina, mas acha antidemocrático quem não se sujeita ao partido único.

A direita odeia Maluf por sua cara de pau, por sua obstinação independente, por sua origem árabe e por não ser racista. A direita quer capachos bem comportados, Maluf para eles não serve.

Os políticos detestam a inteligência do Maluf, um dos poucos entre eles que lê jornal e entende. Corrupção para eles não é demérito. Inteligência e independência sim.

O paulistano em sua generosidade deu a Maluf uma segunda chance na prefeitura, que ele desperdiçou por ambição desmedida e completa falta de noção de limites. É um Richard Nixon do Brasil, odiado por suas virtudes mas traído por suas fraquezas.
Postar um comentário