Atendendo a algumas respostas apreciativas e inúmeras ignorativas, aqui está......

01 maio 2009

Lei de imprensa acabou; censura na Usp continua

Para comemorar o fim da lei da imprensa, reproduzo aqui piada de primeiro de abril censurada na Usp:

José Serra encontrou-se hoje com a reitora da USP, Suely Vilela, para
discutir planos de privatização parcial da Universidade de São Paulo
até 2014
Do G1, em São Paulo - Tom Alvarenga, 1 abril 2009
O governador José Serra esteve hoje com a reitora da Universidade de

São Paulo Suely Vilela para discutir possíveis planos de privatização
de setores da USP até o ano de 2014. A reunião aconteceu no Palácio
dos Bandeirantes e contou também a presença do ex-ministro Paulo
Renato, que assume a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo no
próximo dia 15.
Alguns pontos discutidos foram a segurança nos campi da USP,
especialmente a Cidade Universitária, e o sucateamento das instalações
e equipamentos da universidade. Colocou-se em pauta a extensão do
trabalho das fundações que já atuam em unidades da Universidade como a
FEA (Faculdade de Economia, Administração e Ciências Contábeis),
Escola Politécnica de Engenharia e Escola de Comunicação e Artes.
O plano é transferir, até o ano de 2014, o controle de setores
essenciais ao funcionamento da universidade para as mãos de grupos
privados. Entre esses setores, estariam a gestão financeira dos
recursos da USP e a contratação de professores e funcionários. “O
interesse privado tem totais condições de administrar uma universidade
do porte da USP, o que não tem sido possível apenas nas mãos do
Estado”, declarou o governador José Serra. “Nossa meta é estimular o
investimento na capacitação dos alunos e principalmente no
desenvolvimento de pesquisa, como já ocorre nas universidades
norte-americanas”.
O governador também informou que ainda não foram discutidos planos de
instituir cobrança de mensalidade aos alunos, mas que isso pode vir a
ser considerado pela administração da instituição. Alunos de baixa
renda ficariam livres da cobrança.
Após reunião, Suely Vilela não quis dar declarações ao G1 sobre
protestos de estudantes do movimento estudantil em frente ao Palácio
dos Bandeirantes. “É um absurdo, primeiro foram os decretos. Nós
sabíamos dos planos do governador tucano desde que assumiu o governo”,
disse estudante de história da USP, que não quis se identificar,
temendo retaliações da reitoria. No mesmo dia, na cidade
universitária, funcionários pararam como protesto ao encontro.
Uma nova reunião está agendada para o começo do mês que vem, informou
um dos assessores do governador.
Postar um comentário