Atendendo a algumas respostas apreciativas e inúmeras ignorativas, aqui está......

01 dezembro 2014

Fica a pergunta: alguém na Folha lê o que se escreve no jornal?

Há diversas falácias e non-sequiturs no artigo "USP, estupros e metrô" de Fernanda Mena publicado dia 1 dezembro nesta Folha.

O artigo começa falando de um problema seríssimo, violência sexual, mas em seguida muda de assunto dando a entender, sem qualquer argumentação, que o problema está relacionado com a escolha de reitor através da lista tríplice.

Em seguida o assunto muda abruptamente, para o transporte no campus. O tema é tratado na base do "ouvi dizer", sem qualquer indicação de que a versão sugerida pela coluna a respeito do metrô tenha sido investigada ou confirmada.

A coluna entremeia uma referência ao bairro de Higienópolis, sem relação com a universidade. Se for reconstruir ou deconstruir os non-sequitur a respeito de ônibus e segurança na USP que terminam a coluna, a correção ficaria mais longa do que o texto original.

Fica a pergunta: alguém na Folha lê o que se escreve no jornal?

Mandei a carta acima para a Folha em resposta ao artigo linkado abaixo. Não vou gastar mais tempo na resposta do que foi gasto para escrever a coluna. Um raciocínio estúpido assim compromete a credibilidade do jornal inteiro. Que comigo já era baixa, mas quem continuar lendo depois não venha dizer que eu não avisei.

“@pait: Texto incrivelmente ruim sobre USP na Folha. Opinionismo non-sequitur. Vale conferir a má qualidade do jornalismo. http://t.co/gurZVzbIqE”


Postar um comentário